Carta as Valbusas

Carta as Valbusas. – vinho raro.


🍷 Mucha Sekt

Haviam duas formas distintas de chegar lá, prefiriu-se o papel mais árduo. – eu diria, perigoso.

Eloquentes caminhos. Artimanha dolosa?

A palavra é ígnea. Carrego a pedra e o pássaro, duas flechas brilhantes, e há um só caminho.

Plasmada excentricidade. Raridade, desordem, quase uma palustre na cidade esquecida. Dó ou dor?

Sorrisos rompidos. Parabéns pela formatura, cara amiga. Devo um brioche ou broche?

Estética doce, sapato verniz divino, lábios e cabelos franzidos, mãos de rainha priveligiada ou de preguiçosa vida?

Nada disso. A vida é um salto, e tu não estava no dia do assalto. E a arma apontada, não foi na sua mente. Um trauma.? Sim, só mais um. Fato. Da ingenuidade e fragilidade todos comentaram. E, eu?

  • Com pólvora e gatilho, todo homem perde o “H” e doa pra hipocrisia. E os valentes, sangram.

“Os covardes não tem cicatrizes!”

Continua leyendo “Carta as Valbusas”

Vinho gaseficado

“A verdade tem muitas versões. A verdade é inconstante.”

Questionaram-me que não escrevi sobre o natal. É verdade. Citei ele levemente em alguns textos, mas não mergulhei na piscina de luzes com aroma de pinha velha e rabanada, que o natal carrega.

Longe do Natal, também não escrevi sobre os pais, sobre os avós, sobre os sogros. Acho que citei as mães, falei de ser criança, da fogueira do João, do namorado, citei minha passarinha, anulei o médico. Descrevi olhares, sonhos, desejos, saudades. Poetizei distâncias, voos, pôr do sol. Escrevi silêncios… e senti-me perdida… chorei… e postei um “mulher tu é foda!” no status do Whatsapp. Não sei. Não lembro. Mas, sei que sou foda, e ligeiramente tonta.

Continua leyendo “Vinho gaseficado”

Gratidão!

Aho, mais uma pena no cocar!

Gratidão Senhor, mais um dia, mais um ano acrescentando!

🎁🎈A música (mensagem do vídeo) é presente aos amigos que acompanham o blog e a vida.

📌 Quero pizza com café e vinho!

Sim, no café da manhã.

Queria até uma hidromassagem e uma massagem relaxante, mas…

🛀🍕☕🍷