Arquivo da tag: tem café?

📌 aproveita a vida!

Eu li o tema: aproveitar a vida!

Devo acordar já aproveitando?

São cinco horas da matina,
Da janela miro o sol laranja que pinta o celeste do mar.

Céu azul, rosa, abóbora,
Céu na hora gris,
Sempre pra acompanhar,
Isto, é aproveitar!

Da sacada, frio da neblina,
A coruja já foi dormir,
Os pássaros louvam o novo dia,
As maritacas já estão vindo.

Belas manhãs pra aproveitar a vida!

Aproveita a vida Hermana,
Aproveita a vida Meninas,
Aproveita a vida Amor,
Aproveita com sua melhor melodia.

Oh Deus dos infinitos Bons Dias,
Obrigada por minha vida escolhida,
Obrigada por nossa vida em harmonia,
Obrigada por mais uma manhã em sintonia.

Gratidão Senhor, gratidão!

Obrigada pelo verde brilhando aos olhos,
Pelo sorriso doce da filha bonita,
Pelo santo amor mergulhado,
Abençoado seja o café de todo o dia.

Aproveitar a vida é ser grato…

Aproveitar a vida é beber café com o amor da vida!

Tem Café Amor?

📌 Que a paz da simplicidade venha encher o espírito, e que o suor do esforço, esvazie o ego do corpo.

💻Texto em @grupodapoesia

Desafiando-se.

■ Desafio Diurno,

Eliminar cafeína!

■ Desafio Noturno,

Dormir!!

Esse foi um pensamento-desafio, que tive em Abril de 2015, alguns anos passaram e a briga para manter os dois em equilíbrio continua… rs

E você tem algum vício?

Já tentou eliminar, como foi sua experiência?

Como anda a vida diária, equilibrada?

Uma Semana de Paz, Bênçãos e Foco!

E uma oração pra meditar.

E não nos induzas à tentação,
mas livra-nos do mal;
porque teu é o Reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém!

Meditação: Mateus 6

| domingo |

Chuva na janela,
Gotas no coração,
As mãos se retiram,
E o corpo esfria.

Os pés gelados,
Descobertos,
Congelando,
Frio.

Domingo,

Na garoa que invade a janela do quarto, recebo o aroma do seu beijo, disfarçado de bom dia, mas não, é só melancolia.

Foi mais uma noite,
Longa,
Cansativa,
Sonolenta.

Madrugada intensa,
Os olhos irritados,
Sem os uivos latinos,
Sem sonhos de inverno.

Nativos…

| café na esquina |

Trago o amargo do café da esquina, aqueles servidos em copo de vidro, no bar da quinta avenida.

Estou só, com nossa fatia do bolo preferida, acompanhada, de olhos cansados, admirando a vitrine de ovos rosados e água ardente.

É muito cedo pra pedir o almoço, mas queria as batatas, fritas, amassadas, com petiscos, cheios de cebolas e limão.

É muito cedo pra solicitar seu beijo?

Muito cedo pra reclamar a poesia da madrugada fria.

Reclamar seu corpo, seu sono ausente.

É muito cedo pra pedir dois cafés?!

[Preciso de café. Café, sem cafeína!]

| paralelo. |

A vida é um mistério, uma caixa a ser desvendada.

Eu estou dentro dela, posso sair, posso voltar.
Posso destruir a caixa, embrulhar pra presente, fazer um dado com ela, iniciar um jogo.

Posso usar pra me esconder, posso deixa-lá guardada no porão de casa.

A escolha é minha, a decisão é só minha, e a consequência é a única certeza pra qualquer opção que eu tomar!

Quantas escolhas poderíamos tomar diante de uma situação, ou o quanto a vida muda conforme aceitamos nossas escolhas?

Num universo paralelo, o quanto somos afetados pelas escolhas alheias, ou pior o quanto sofremos por causa disso?

Esse não é o tipo de questionamento que costumo fazer em minhas meditações, mas circunstâncias, levaram-me pra um novo tipo de vivência, na qual eu tenho experimentado na pele. E eu não estou sabendo lhe dar com isso, e também não estou afim de interferências, mas sei que minhas escolhas afetarão as decisões.

Esse é a fase que preciso sair da caixa, mas coloquei sacos bolhas no interior, pra criar a sensação de segurança.

O meu eu, questiona-me a saber como as consequências das escolhas que não tomo (como deveria; com base ética e social), irão afetar outras pessoas ao meu redor.

De alguma forma, sinto-me “culpada”, preocupada, com algo que deixei estagnado por opção.

É como ver a banheira transbordando a água, e decidir não fechar a torneira, mesmo sabendo que essa atitude acabaria com toda água.

Foi uma escolha, ficar sem água é minha consequência, que talvez, afete outras pessoas.

E como passar sem dolo na consequência causada por terceiros?

Como não culpar alguém, que visivelmente é o culpado por tudo que está acontecendo consigo?

Como não culpar-se?

Ficar ileso a falta de água que você mesmo causou!

Adormeci na caixa, estou secando, já não sinto mais sede, minha pele está desnutrida, meu olhar marejado, observando um flexe de luz que surge quando alguém joga o dado.

Essa é a realidade que criei quando não fechei a torneira. Sorte que existe o tal do senhor do tempo, que não cura nada, mas transforma a realidade.

Mas, Cassiane não acredita em sorte, só compreende as astúcias do tempo, e sabe que ele não é um vilão, é apenas um intermediário, entre o que se sabe hoje, entre aquilo que precisa saber, e o que ainda saberás, por isso, nunca me culpei por decisões que tomei “erradamente”.

Tenho mantido a boa política da diligência, palavra esta, que aprendi em minhas viagens xamanicas, algo que compreendi na vivência, isso não quer dizer que só faço boas escolhas, nem na ficção isso se tornaria uma verdade, mas isto fala do eu cauteloso, que mesmo errando, mantém a lealdade com a verdade e com a realidade.

É difícil ser normal, quando você não é; difícil até ser leal na sua própria loucura.

Quando o assunto é ser, estamos todos na embarcação, remando no sol quente, enfrentando tempestade, torcendo pra encontrar uma ilha habitável, onde tenha terra saudável e a possibilidade de crescer em harmonia.

Continuamos buscando a paz necessária, um amor afável pra chamar de nosso, e a misericórdia nas nossas fraquezas.

No fim do dia, só queremos sair da caixa e ter o abraço caloroso de quem amamos.

Tem café?