Arquivo da tag: sagrado feminino

| medicina do urso |

A medicina do urso é a cura, mas, na compreensão, não quer dizer curado.

Caminhar nos mistérios do arquétipo, é uma das formas que o espírito adota para te fazer parar, te fazer olhar para o interno, olhar para si, te fazer vê e perceber, onde a enfermidade brotou, e onde ela realmente deve ser tratada.

Alguns tratamentos por mais maravilhosos que possam ser, por mais dolorosos, não serão capazes de te fazer enxergar o que afligiu, isto, não quer dizer que não ficará melhor, mas há possibilidade de outros males surgirem enquanto a raiz não for tratada.

Não é fácil ser mãe!

Ser responsável cansa, ser cabeça é cansativo… estou cansada!

Mas, é melhor que ser calda. Melhor do que não ter nada pra ser, e acabar sendo qualquer coisa sem importância.

Fico vendo essas manas com cinco, sete, dez filhotes, nem sei a palavra pra essa façanha, está além da coragem e da disposição.
Eu tenho uma anjinha barulhenta conectada no 220v, que nem dormindo fica quieta. Cansa, viu!

Criar filho é da hora meu. Velar sono, noites e noites, arrumar bagunça, repetir mil vezes, dizer mais duas, três vezes, mais uma vez, mais uma vez… Dormi!!!!

Cansei por ontem, por sábado, pelo mês passado, cansei por 2018 inteiro!

Tem onze anos que estou cansada, imagina a mina que tem dez crias?

Eu mal consigo administrar minha maloca, relaxar, trabalhar, cozinhar, cuidar, etc. Mal consigo ter tempo suficiente pra nós.

As vezes tenho vontade de entrar num barquinho e ir… só ir… sem prazo pra voltar, sem ter a obrigação de voltar. Mas daí meu despertador humano me acorda… Caya!

Ser mãe é surreal, coisa de fêmea forte, mas cansa, igual descarregar caminhão de cimento.

Mana, um beijo pra você que é mãe!

| Lua Vermelha |

A lua tá novinha no céu…

Céu de brigadeiro; o vento está suave, tá tipo cortando os lábios. rs

Ontem foi um plantão cansativo, estava tensa, com receio, preocupada, com a imaginação que cria possibilidades até no improvável, mas, ontem resolvi apagar todos os pesadelos (esclarecido!).

Estou aproveitando essa Lua Nova pra deixar todo medo velho pra trás. Aproveitando pra afastar-me de atitudes destrutivas, de relacionamentos falecidos, de pessoas tóxicas.

Estou limpando pensamentos, cômodos, resquícios… Abrindo, curando!

É preciso conectar com a mãe, limpar-me, curar-me, e voltar a curar, pra voltar Amar… Ser amada inteiramente como pessoa, como mulher, como ser de luz presente no presente.

Conectar pra ser!

Instintivamente o universo responde toda energia que você envia pra ele; Ontem não foi diferente!

Depois de dez dias bem complexos, mentalmente pesados, clima horrível, sonhos difíceis, indecisões, tudo isso influenciando negativamente meu ciclo, que parecia está ali o tempo todo, com seus sintomas, mas, mantinha-se ausente e silencioso, finalmente a lua chegou, parece que aguardava o melhor momento.

Minha Lua chegou lindamente, consagrando meu útero com essa lua negra, conectando meu sangue a mãe, meus desejos, meus sonhos, meus agradecimentos.

Sou grata por ter essa sintonia com o universo, mesmo que por vezes, não compreenda inteiramente.

Não tem presente maior pra uma mulher, percerber, sentir e ter todo o corpo vivo, saudável e sincronizado.

Meu fluxo desta vez, veio intenso e vivo. Assim exatamente como estou me sentindo: grata, com sentimentos bem vivos e intensos.

Parte de mim, morreu na lua anterior, parte de mim foi enterrada nestes últimos três meses de vivências “degradantes”, onde me permiti iludir-me com esse sistema cruel e duro, mas ainda em tempo de reestabelecer novos aprendizados que tiraram-me desse poço venenoso.

Sou Grata por sangrar todo mês. Sim sou dessas mulherzinhas que tem amor, e honra o sangue que escorre entre as pernas.

Sou grata por Deus ter me permitido ser mulher, em todos os sentidos de uma mulher. Mesmo nas mais bruscas emoções, mesmo nas experiências indefinidas, mesmo nas crises de existencialismo, me vejo mulher, sendo apenas mulher.

É bom lembrar que isso não é ruim. E mesmo que eu ouça piadas abusivas, mesmo que me sinta estrupada por olhares maliciosos, mesmo que eu tenha que ter medo de andar a noite com minha filha, mesmo que eu tenha que ensinar-lhe sobre liberdade, num mundo onde ser livre é motivo pra violências, ainda assim, eu amo ser uma mulher livre!

A Primavera acordou, veio dançar comigo e com as bougainvilleas.

Limpa a poeira bagunçada do inverno, aqueça uma água, faça um chá fresco, abra a janela pro Sol entrar, o vento precisa circular, aproveita que Setembro só não venta mais, porque os anjos estão ocupados com casamentos. rs.

Então, vamos Bailar?

Te desejo um ciclo florido e perfumado!

Que essa estação traga novos Sorrisos!!

A Tecelã Margarida.

É indelicado e nada educado deixar a bolsa em cima da mesa. Sua mãe não lhe deu instruções?

Tive que ouvir isso de uma senhora, uma bela anciã, de mais de 80 anos, que interrompeu meu almoço meditativo.

Confesso, que pensei em responder, mas, no exato momento que fui interrompida, estava com uma deliciosa rodela de kiwi nas mãos e a boca cheia de mangas.

Então, educadamente, sorri com os olhos e desocupei a mesa, e ocupei a cadeira com minha mochila, que mais parecia o casco de uma tartaruga indo pro deserto.

Engoli a comida e gentilmente disse:

– Se a senhora falar menos que minha bolsa mal educada, sinta-se a vontade para comer ao meu lado.

É, fui educada. Não. Não fui. Fui malcriada e arrogante. Mas, meu sorriso foi. Sério!

Onde você vai com essa bolsa, cheia e pesada?

Continuar lendo A Tecelã Margarida.

| minha filha |

Minha amiga Sizia me desafiou a postar uma foto que tenha a representação da maternidade. Eu resolvi aceitar, mas não consigo simplesmente postar uma foto sem dizer algo.

Creio e nunca escondi de ninguém que os mistérios da vida, “criação” é um milagre divino e grandioso aos meus olhos.

É um projeto além do corpo físico.

Tanto a forma científica e religiosa tem um lado único de se explicar, preciosa e bastante fascinante.

Uma nova criança nasce no momento da concepção, desde do ato sexual, ou até antes, quando simplesmente desejamos ou não gerar essa criança. O fato é que ela te escolheu.

Eu, me vi grávida e confusa na minha gestação. Um místico de dúvidas e tormentas. Alegre por saber que era um presente de Deus, uma oportunidade única de gerar uma criança com planos além da minha capacidade de entendimento, e depressiva por toda situação e estrada que eu teria que enfrentar sozinha.

Não foi fácil os últimos sete meses de gestação, foi doloroso, foi enjoado, foi vomitado, foi tenso, foi irritante, mas, acima de qualquer coisa foi respeitado!

Deveria ter sido tudo diferente, mas, não foi. Consequência existe! E não é novidade, “odiei” estar grávida, mas, amei minha branquela, suja e inchada no momento em que vi sua respiração, ainda com aquele cordão que nos ligava.

Eu ainda admiro muito a maternidade, ainda vou fazer uns partos por aí… rs.

O ser mãe é um ser único, mesmo aquelas que deixam seus filhos, quanto aquelas que adotam os filhos de outras. Até as mães insuportáveis, e aquelas amáveis.

Deus em sua sabedoria presenteou as mulheres, Deus nos amou! E todo homem tem o dever de amar também.

Quanto a foto representa o sorriso mais sincero e amoroso que eu já tive, a pulseira foi a primeira que ela usou.

Eu sou grata a Deus por me abençoar com uma filha linda, amiga, conselheira, carinhosa e amável.

Agradeço também ao pai dela por ter tido participação especial em sua geração, poderia parecer mais comigo, seria mais fácil, mas…

E agradeço minha amorinha Caya Cris por me transformar nessa mãe chatona e super paciente que sou.

Quanto ao desafio…

Eu não desafiarei nenhuma mãe, porque ser mãe já é um grande e eterno desafio.

Eu desafio vocês mulheres e homens a criarem mais consciência com filhos!

Paz e Fé!