Cubo de gelo

Acho que nunca li um romance.

Poesias dos Andrades e Vinícius não contam. Poemas não contam. Os versos esdrúxulos de Fernando também não, como ele disse:

“Todas as cartas de amor são Ridículas.”

Se li, estava atrelado a alguma guerra, suspense, terrorismo ou em envolvimentos desconexos.


Lembrei de um livro, mas as páginas jorravam sangue indolentes.

Inúmeras perseguições políticas, poetas calados, jornalistas e artistas exilados. Os amores, eram impossíveis, a maioria chorados nas estações de trem.

Estação de trem, tem feição romântica.

Onde moro, não existem trilhos. Não sinto saudades falta do metrô, do trem. Não sinto falta nem do bondinho da Santa Teresa… talvez da Tereza. E do Murilo. Perdi pessoas importantes em linhas férreas.

Na sua cidade tem trem?.

Deve ter sobrado os trilhos que atravessavam os estados. Nos leva para passear na Maria Fumaça?

E por gentileza, peça dois cafés na padaria da esquina.


É tu e Deus e uns amigos invisíveis. Tá, alguns bebem café contigo. Outros leem os blábláblá… hehe Mas, é tu e você, firmes no propósito.

Continua leyendo “Cubo de gelo”