Publicado en Poetisa

Lua, nos ilumina.

A lua minga,
Faz gritar discrepâncias,
E o coração não entende.

Lua cheia,
Um turbilhão de emoções,
Afogando na piscina de flores.

Palavras que o espírito traz no vento.

Lua chega,
O ponteiro acelera o desejo,
Você não vem; sabemos.

Lua cresce,
Os lábios e a mente brigam,
Minhas mãos te solicitam.

Sobrevivendo em passos lentos.

🖌Amit Bhar, 1973 | Abstract Watercolor painter

Publicado en Chá das Onze

Lua cheia de sangue.

Aquela lua de sangue, que brilha no céu e escorre entre os dedos!

Transmuta na pele, refúgia a alma e aquece meus pensamentos.

Ouça os risos daquela menina, uma Loba, correndo pro mar, sentido o amor, uivando o amar.

Sigue leyendo “Lua cheia de sangue.”

Publicado en Chá das Onze

Lua de Sangue (Renascimento!)

Arquivo @temflor

Ainda sobre a lua de sangue, não o eclipse, não a lua que foi vista no universo, mas os esquiços da lua que regeu o ser, as emoções, os sentimentos, as decisões.


A lua que nasceu com todas as possibilidades de escolhas novas, lua que cresceu limpando tudo que já não acrescentava ao espírito, que fez poderosos caírem, que trouxe divisão, que revelou máscaras.

Lua que rasgou o céu e a alma, com palavras e toques doces, com vivências quentes, e frutos de intimidades. E foi crescendo, trazendo clarividência de situações ocultas, de medos, de sentimentos oprimidos, de emoções divididas, de comunhão, de vivências espirituais, de indecisões.

Lua esta, que cresceu nos corações, lavando o corpo, revelando planos, apartando desejos, afastando emoções, cobranças, mostrando o joio, revelando as flores, derramando lágrimas, sufocando o ar, trazendo objetivos, revelando e cobrando coisas do Alto!

Sigue leyendo “Lua de Sangue (Renascimento!)”