J’adoube

Ainda que sejas rei, a coroa não é só sua. Teço o fio junto ao frio na beira do rio, as seis da noite, em uma tarde iluminada. Passarinho, canta a canção da esperança, pro seu ninho. Na beira do barco, a família descansa. Em nuvens densas, sem ilusórias, escreva a prece dessa história. EmContinúa leyendo “J’adoube”

| parfum |

Parfum, o cheiro na minha pele, o aroma no meu lençol, e você nunca esteve nele. Amor, importa a essência do amor, o sentir sem ser, sem precisar. Não soframos! Saboreia, todos os aromas vivos, todos os sentimentos possíveis, os imprevisíveis. Providencia, prova todos os gostos, experimenta do doce ao amargo, o suprassumo. Prova, cadaContinúa leyendo “| parfum |”

Aroma

O que aconteceu com seu olhar? Olhos que escondem, fogem, saqueiam sua essência. E eu não estou falando da seriedade. Disso, compreendo, e até gosto. Ontem fechei os olhos, tentando ouvir cada frase, cada palavra, cada lembrança, cada gesto que passou entre nós. A mente vagou demais, perdeu-se naquele local, meu cemitério, onde enterrei situaçõesContinúa leyendo “Aroma”

✏ tua letra na minha pele

Se houvesse espaço, e o pincel estivesse nas tuas mãos, o que a poesia escreveria na alma? Garatujas, versículos, cartas escritas, descritas, receitas pormenorizadas, romantizadas… Haveria uma carta? Escreveria uma, mesmo que não fosse uma carta de amor, e sim, uma carta, da existência, da resistência, da história, das outras vidas, da nobreza, ou daContinúa leyendo “✏ tua letra na minha pele”