Publicado en Chá das Onze

Visões, confins dos céus.

Sinta o perfume da mãe natureza, doce presença, Pai. Observação aguçada, é a brisa da deusa.

Ouça o tambor da mata. Pisada leve, voz serena, o louvor dos pássaros e a poesia sublime das folhas.

Sinta, o cheiro da clorofila invade, cheiro de terra molhada.
Ouça, é o córrego, são as aves alimentando-se.

Um enjoo, uma vertigem repentina, são as certezas, sendo abaladas. Não lute, deixa a mente fluir, deixa o aroma exalar tudo que não lhe cabe mais… deixa o orvalho tocar suas emoções mais profundas.

O que resgatar?

O que remover?

O que trazer pra perto?

Sigue leyendo “Visões, confins dos céus.”

Publicado en Poetisa

| jibe |

Eu morava ali

Em algum ponto além da linha das árvores
Em algum ponto de dentro do olho da figueira que plana na serra
Em algum ponto na pedra encantada com musgos milenares

Eu morava ali

No breu da cachoeira, por detrás dos véus sedosos das águas
No bocejar da onça que baila sobre a mata virgem da sua Maria
Na colina de flores e frutos, entre arcos e flechas sustentando guerreiros

Eu morava ali

Na essência das ervas, no sagrado da cura, na beleza da dança
Na taioba, na água do mandacaru, no sangue da ora-pro-nobis, no incenso queimado da seiva
No cedro que exala um mantra antigo e puro, no alecrim que embeleza a mente… Ahh, o meu Palo Santo

Sigue leyendo “| jibe |”

Publicado en Chá das Onze

~ secreto é lugar de intimidade.

Te desejo a chuva, o sol e a íris que há acima, no alto da montanha do Senhor.

Lugar onde a águia faz morada entre o céu e a casa de Deus, onde animais inusitados habitam, onde os lobos dormem junto com leões.

Lugar onde o som das trombetas fazem sincronia com os tambores, com os sinos, com o triângulo, um som de cristais descendo da cachoeira, onde a floresta canta e o reino louva, e a gente, só sente, em êxtase resplandecente.

Lugar onde o altar, abre um oceano de cor violeta, onde entro, monto no meu rinoceronte e renovo as forças.

Lugar onde muitas vezes, deixei angústias, lugar este que visitei pessoas, lugar que te levei, para conhecer o arquétipo, e um pouco da essência.

O que sua lente enxergaria?

🖌Karen Mesaros

Quero sentir o sorriso mais puro, o olhar mais sincero, o amor mais Vivo!

VIVA!


Publicado en Chá das Onze

Seja a Águia

A lua começa a diminuir, expandindo pensamentos e irritações.


Olha, observa, mas, não se envolve demais em assuntos que não são seus. Cuida-se, para evitar desgastes e perdas de energias desnecessárias.

Se o motivo parecer justo e agradável, e envolve os mistérios do ser, interna-se, até não restar mais dúvidas.

Aprofunda-se, faça cavernas, mas, ao final, saia regenerado, com a fome e a disposição do urso, que precisa caçar para alimentar-se, depois de uma longa hibernação.

💡 É preciso mais do que voos rasantes na colina.

Sigue leyendo “Seja a Águia”

Publicado en Chá das Onze

Lua de Sangue (Renascimento!)

Arquivo @temflor

Ainda sobre a lua de sangue, não o eclipse, não a lua que foi vista no universo, mas os esquiços da lua que regeu o ser, as emoções, os sentimentos, as decisões.


A lua que nasceu com todas as possibilidades de escolhas novas, lua que cresceu limpando tudo que já não acrescentava ao espírito, que fez poderosos caírem, que trouxe divisão, que revelou máscaras.

Lua que rasgou o céu e a alma, com palavras e toques doces, com vivências quentes, e frutos de intimidades. E foi crescendo, trazendo clarividência de situações ocultas, de medos, de sentimentos oprimidos, de emoções divididas, de comunhão, de vivências espirituais, de indecisões.

Lua esta, que cresceu nos corações, lavando o corpo, revelando planos, apartando desejos, afastando emoções, cobranças, mostrando o joio, revelando as flores, derramando lágrimas, sufocando o ar, trazendo objetivos, revelando e cobrando coisas do Alto!

Sigue leyendo “Lua de Sangue (Renascimento!)”