Suspiro

Presa no suspiro, na garganta. Agarrada à ofegante. Nas trêmulas mãos um gole em todos os pensamentos. Nos insanos, nos imprevisíveis, nos intocáveis, nos maléficos, nos libidinosos e nos gentis. A dose extra, por gentileza. Em degustes valorosos. Quis, bem no triz. Houve um milésimo de segundo, onde desejei. Quis o suspiro, a respiração, oContinúa leyendo “Suspiro”

Consolação?

Frígida; presa na bruma. Prefulgida visão; sensação em desconsolo. Tarefa árdua? Nobre desprendimento. O que é desespero? É ver o filho cair do nono andar, é a sensação do carro capotando na rodovia? Um último suspiro, o silenciar de um tempo, o atravessar dos trilhos? É a violação do corpo, a impotência do agir, éContinúa leyendo “Consolação?”

Discorre.

Devera transcender do ponto paralisado no ar. Devera parar de sentir, deixar de acreditar; a realidade muda o ponto Não faz diferença, certezas pouco importam. Não é o começo, nem o farol na estrada, nem o ponto no fim. Sem insistência, sem desistência. Assistência?! Ciente e consciente, além das propriedades compreensíveis. É intenso. É oContinúa leyendo “Discorre.”

Abismos

Tenta fugir Estrada de chão vermelho Rua dos olhos apagados Deus, Deus, Deus! Tenta resistir Vale das andorinhas Lágrimas pintadas do sangue Deus, deus… Tenta respirar Pronta pra partir Mar inundado da dor Deuuuss Tentar gritar novamente Consiga resistir no verso Pele rasgada ao sol Deus Um fôlego perdido Corpo irreconhecível Suspiro no abismo D…Continúa leyendo “Abismos”

Corpos que não estão.

Noite insólita reversiva, nenhum pouco recreativa. Sem oxigênio, as plantas mortas, silêncios imóveis, casa vazia. Fumaça pela brecha da porta, janelas ofuscadas pela poeira, e o raios de sol não transpassam, a sala mais escura, úmida e sombria. Durante um tempo esse foi o cenário daquele lar… Durante um século, três séculos, dez vidas, inúmerasContinúa leyendo “Corpos que não estão.”

rés demais pra mergulhar em águas profundas

Treina a apnéia, dilata os brônquios e cuidado com os tímpanos. Respira, não pira, coloca o pulmão pra trabalhar com eficiência. Refaça a respiração, inspira, respira, uma, duas, três vezes. Quando for necessário, quando for preciso, ou quando tu estiver bem disposto a enxergar, olha bem pra água, pede licença, agradeça a oportunidade e começaContinúa leyendo “rés demais pra mergulhar em águas profundas”