Arquivo da tag: domingo

🔔 06:09H

A flor pairou

A ideia de que é necessário ter, foi o primeiro a mandar sinal de derrota.

Não é necessário ter, é necessário ser.
Ser qualquer coisa que quiserdes ser.

É importante ser para viver;
É necessário ter para sobreviver;

Quanto você tem e o quanto sobrevive?

Quem você se sujeita ser para ter? Continuar lendo A flor pairou

📌 aproveita a vida!

Eu li o tema: aproveitar a vida!

Devo acordar já aproveitando?

São cinco horas da matina,
Da janela miro o sol laranja que pinta o celeste do mar.

Céu azul, rosa, abóbora,
Céu na hora gris,
Sempre pra acompanhar,
Isto, é aproveitar!

Da sacada, frio da neblina,
A coruja já foi dormir,
Os pássaros louvam o novo dia,
As maritacas já estão vindo.

Belas manhãs pra aproveitar a vida!

Aproveita a vida Hermana,
Aproveita a vida Meninas,
Aproveita a vida Amor,
Aproveita com sua melhor melodia.

Oh Deus dos infinitos Bons Dias,
Obrigada por minha vida escolhida,
Obrigada por nossa vida em harmonia,
Obrigada por mais uma manhã em sintonia.

Gratidão Senhor, gratidão!

Obrigada pelo verde brilhando aos olhos,
Pelo sorriso doce da filha bonita,
Pelo santo amor mergulhado,
Abençoado seja o café de todo o dia.

Aproveitar a vida é ser grato…

Aproveitar a vida é beber café com o amor da vida!

Tem Café Amor?

📌 Que a paz da simplicidade venha encher o espírito, e que o suor do esforço, esvazie o ego do corpo.

💻Texto em @grupodapoesia

Cálice

Anoitecer de sábado
Eu tô enjoada
Não tenho disposição
Se puder silenciar

Meu cálice tombado no chão.

Madrugada de domingo
Eu tô dopada
Não lembro muito
Se puder calar

Meu cálice na fala do médico.

Alvorada de segunda-feira
Eu tô febril
Não sinto o ar
Se puder acalmar

Meu cálice no chuveiro.

Manhã de terça-feira
Eu tô off
Não acordei suando
Se puder hibernar

Meu cálice na cama.

Tarde de quarta-feira
Eu tô náuseada
Não tenho fome
Se puder jejuar

Meu cálice no prato.

Entardecer de quinta-feira
Eu tô melhorando
Não vomito mais
Se puder agradecer

Meu cálice no brado da vela.

Noite de sexta-feira
Eu tô amorosa
Não quero mais remédios
Se puder sintonizar

Meu cálice no pôr do sol do marujo.

Sábado… Domingo novamente
Eu tô no décimo dia de suspeita
Não posso sair, ainda tenho dores na cabeça e náuseas aleatórias

Se puder, cuida-se!

Meu cálice num relato poético de uma gripizinha.

Cassiane Araújo

📸 pinterest

Monólogo

Se agendar, agora, pra 2025, talvez, conseguiremos, finalmente, tomarmos um café, talvez, até um vinho, ou quem sabe, até acampar, e ouvir os rocks dos anos 80.

Andar na roda gigante…

Talvez, até consiga manter números na agenda do telefone por mais tempo, ou posso enviar um cartão postal de países e cidades, no dia de Ação de Graças, ou enviar de presente fitas do Atari, telas surrealistas sem assinaturas.

Quem sabe, leio um jornal na banca do Murilo, e peça uma limonada do tio Sam, sento na praça, assisto o dominó, enquanto escrevo o monólogo da formatura.

A verdade é que não posso saber.

E não sei por mais quanto tempo manterei vivo.
Não sei se devo, se quero, ou, se preciso te manter na biblioteca, nos discos, nas gavetas.

Bêbada com dois cafés, um banho e uma música no escritório do marketing;

o apartamento continua intacto, e sem luz.

Cada canto, cada cor, cada cômodo, parecem ter experimentado seu cheiro, sua voz, seus medos.

É um espelho refletindo cada sorriso, cada lágrima, cada toque meu.

É possível, que você esteja neste momento na fila de algum embarque, ouvindo música brega, ou Chico Buarque, haha, mas, a verdade é que você já foi pra longe faz tempo, e a única coisa que te mantinha presente neste país, era a poltrona relaxante e o cacto que não morria.

Espero que não morra novamente, que continue vivo, desta vez, pelos motivos certos.

Preciso que se mantenha vivo, mesmo que destruído, afinal, sobreviver era quase um lema, mesmo que não fosse uma escolha, era prioridade em nosso contrato, mesmo que agora não tenhamos um.

Ainda somos o que nos vestimos internamente, e dentro, nas vísceras, ainda está tudo que acreditamos, que somos.

Não importa a montanha, ou a lareira que irá te aquecer, quando o frio chegar, você vai degustar um chá, vai desejar a pele, vai querer os lábios em sua costela, vai desejar colocar as mãos no coração, e escrever poesia com a respiração ofegante, e a única coisa que você terá, é a minha oração…

Todos os dias, ao pôr do sol.

Fica bem!

| domingo |

Chuva na janela,
Gotas no coração,
As mãos se retiram,
E o corpo esfria.

Os pés gelados,
Descobertos,
Congelando,
Frio.

Domingo,

Na garoa que invade a janela do quarto, recebo o aroma do seu beijo, disfarçado de bom dia, mas não, é só melancolia.

Foi mais uma noite,
Longa,
Cansativa,
Sonolenta.

Madrugada intensa,
Os olhos irritados,
Sem os uivos latinos,
Sem sonhos de inverno.

Nativos…

~ secreto é lugar de intimidade.

Eu te desejo a chuva, o sol e a íris que há acima, no alto da montanha do Senhor.

Lugar onde a águia faz morada entre o céu e a casa de Deus, onde animais inusitados habitam, onde os lobos dormem junto com os leões.

Lugar onde o som das trombetas fazem sincronia com os tambores, com os sinos, com o triângulo, um som de cristais descendo da cachoeira, onde a floresta canta e o reino louva, e a gente só sente, como em êxtase resplandecente.

Lugar onde o altar abre um oceano de cor violeta, onde eu entro, monto no meu rinoceronte e renovo minhas forças.

Lugar onde muitas vezes deixei minhas angústias, lugar este que visitei algumas pessoas, lugar que te levei junto para conhecer seu arquétipo, e um pouco da sua essência.

O que sua lente enxergaria?

Eu quero sentir seu sorriso mais puro, seu olhar mais sincero, seu Amor mais Vivo!

VIVA!