Estou cansado, chefe.

As Leis de Deus | Declaração dos Direitos Humanos

Cansado de estar na estrada, solitário como um pardal na chuva. Cansado de nunca ter um amigo pra me dizer aonde vai, de onde vem ou por quê. Principalmente, estou cansado de as pessoas serem ruins. Estou cansado da dor que sinto e ouço no mundo todo dia. É muita dor. São como pedaços de vidro na minha cabeça o tempo todo. Você consegue entender?

— John Coffey | À espera de um milagre, 1999.

Coffey, te entendo. É muita dor.


Continua leyendo “Estou cansado, chefe.”

Dezembro…

Primeiro fato: As criaturas vivas se reproduzem em progressão geométrica (pela multiplicação).
Segundo fato: …tende a manter-se mais ou menos constante…

Terceiro fato: Todos os sêres tendem a variar de modo apreciável…

Dedução dêsses fatos: … As variedades inferiores serão eliminadas…

Resultado: … É a evolução.

GRANDES VIDAS, GRANDES OBRAS. pg. 392


Continua leyendo “Dezembro…”

| 223 |

Sempre disse que nasci numa noite de lua azul, não era poesia, a piada sempre foi interna; para os entendidos.

O tzolkin tá aí pra quem quiser alinhar o tempo presente, ou simplesmente desacelerar.

Parece idiota esse blá blá blá de antiguidade, mas sou grata aos nossos ancestrais por estarem tão alinhados ao ciclo natural da vida.

Por terem o sagrado respeito pela terra, pelo cultivo, pelo plantio, pela conservação da semente criola, pela busca constante aos recursos da nossa mãe natureza.

A sociedade tá muito mecânica, muito eletrônica, muito afastada de si, de nós mesmos.

Lamentável, mas, quanto mais modernização, menor é o abraço, o apreço, o calor humano.

Somos seres racionais destruindo a própria raça, e isso doí, corrói, divide, e afasta a esperança de uma sociedade mais viva, mais lúcida e consciente.


Quantas vidas mais esse corpo aguenta até cumprir a missão estabelecida?

Esse final de ano, estarei orando e emanando luz para que possamos fortalecer nossa fé e nossa esperança.

Não perca a esperança.

Bom Dezembro.

Verbo, ser!

Senti saudade das muitas vezes que ficávamos olhando as estrelas do céu, tentando enxergar a galáxia que ajudaria a encontrarmos-nos neste mundão chamado, Terra.

Senti saudade de lábios sedosos, que abrirá o céu rompido, e transformará o sal seco do rosto, em chuva suave de meteoros.

Senti saudade de céus azuis, pintados com o ouro dos cabelos. Saudades de olhares leves, certeiros, dos encantos, da magia que rola e desrola.

Sinto saudades das lembranças, de algumas vivências e das recompensas. Da busca, da troca, dos sonhos, do encanto do velho menino. Da nova criança!

Ah, quanta saudade senti do corpo bronzeado, enfeitado de conchas, brincando a infância com os siris, beijando o mar, engolindo o sal, desnorteando os véus.

Eu senti saudade dos piques dos finais de semana, do peixe sagrado da sexta-feira, do baile encerrando o domingo, do namoradinho trazendo pastel.

Ah, como sinto saudade dos nossos natais, das suas freiras, das missas lá na escadaria, da festa do Santo Antônio, dos biscoitos autênticos de nata, dos festivais de balões, da programação do domingo.

Sinto que sinto sentir esse sentimento!

Saudade da minha abuela!

Arquivo @temflor