Arquivo da tag: Dagmar

📌 Antônio

Santo Antônio de Lisboa ou Santo Antônio de Pádua?

• pra mim é Antônio da Dagmar e das senhoras do convento.

Nas escadarias do convento, no túnel do santuário, foi assim que conheci o Antônio, foi assim que conheci Francisco.

Então, por respeito, NÃO afoga o Antônio na água, na cachaça, no mel, ou sabe lá onde mais… rs.

Se você precisa de um milagre, posicione-se, creia, e não perca a fé!

Milagres acontecem quando estamos aptos a recebê-los, ou-e através da misericórdia divina. Mas, o “milagre” depende mais de nossa postura como pessoa, do que da intercessão divina.

Muitas das vezes, não necessitamos de ajuda milagrosa, o que nos falta são as atitudes. Precisamos ter direção, vontade, força e esforço para conquistar o que temos sonhado e almejado.

Se o espírito colocou um desejo no seu coração, ele tratará de abrir os melhores caminhos para você alcançar, mas a caminhada é sua, portanto escolha bons sapatos e vá ao encontro do seu milagre.

A vida, por si só, já é um milagre magnífico. Sejamos agradecidos por obtermos tamanha graça.

• da crendice do casamenteiro:

Se deseja casar ou arrumar um compromisso amoroso, seja uma pessoa amável, seja alguém que você amaria.

Não adianta colocar o Antônio de ponta cabeça, e continuar sendo uma pessoa horrível.

Seja mais, por você, por nós, por todos os outros que fazem parte desse Todo.

E não esqueça: Nós atraimos o que emanamos de bom e ruim. Nossa energia fala por nós, fala de nós.

Equilibra sua energia!

👉 Você tem sido amável consigo?

| do flerte a flecha |

Despir o espírito, em notas suaves de rosas.
Despir a alma, em notas sagradas de orações.
Despir o coração, em notas suadas de gratidão.
Despir o corpo, em notas ousadas de traduções.

Olhei, o corpo que trouxe,
Beijei a mão, e colhi as palavras,
Agradeci a voz, confirmei o canto,
Dancei o bramido que provocou.

São devidas proporções e fé há,
Supremacia e reverências.
Sonhos, visões, insgths evoluídos.
Dissertações proporcionais; tensas.

Continuar lendo | do flerte a flecha |

Verbo, ser!

Senti saudade das muitas vezes que ficávamos olhando as estrelas do céu, tentando enxergar a galáxia que ajudaria a encontrarmos-nos neste mundão chamado terra.

Senti saudade dos lábios sedosos que abrirá o céu rompido, e transformará o sal seco do rosto em chuva suave de meteoros.

Senti saudade do céu azul pintado com o ouro dos teus cabelos, daquele olhar leve, certeiro, do encanto, da magia que rola e desrola.

Sinto saudades das minhas lembranças, de algumas vivências e recompensas. Da busca, da troca, dos sonhos, do encanto do velho menino. Da nova criança!

Ahhhh quanta saudade senti do meu corpo bronzeado, enfeitado de conchas, brincando a infância com os siris, beijando o mar, engolindo o sal, desnorteando os véus.

Eu senti saudade dos piques dos finais de semana, do peixe sagrado da sexta-feira, do baile encerrando o domingo, do namoradinho trazendo pastel.

Ah como sinto saudade dos nossos natais, das suas freiras, das missas lá na escadaria, da festa do Santo Antônio, dos biscoitos autênticos de nata, dos festivais de balões, da programação do domingo.

Sinto que sinto sentir esse sentimento!

Saudade da minha abuela!

| nostálgico Antônio|

Dez minutos deitada nas pedras, olhando o cemitério do Casemiro.

Mano sofredor, porque todo poeta é guerreiro, mas sofre viu. Morreu novo, enfermo, tuberculoso, deixou o sopro da vida, findou sua poesia, e a mãe morreu de boca vazia.

Triste realidade artística.

O que Casemiro e Assis deviam conversar nas resenhas da boêmia?

Em pleno sol das doze horas, eu ali, observando a cruz e o sino que não entoava a prece sagrada do meio dia. Lembrei do Antônio, quantas missas perdi, e mais quantas outras, eu ouvi sentada da escada do convento?

Muitas. Certamente eu perdi muitos sermões do antigo frei, mas da escada eu aprendi a observar quem entrava no aqueduto em busca de lucro, de refúgio, de olhares. Fugindo da chuva, procurando aquecer a alma, no fogo das latas de alumínio.

Da escada, olhávamos quem se deliciava com o pão dos pobres, e quem roubava deles. Sempre foram muitos, todos perdidos, em meio a sonhos frustrados, dias angustiantes, e ilusões profundas; inclusive eu, nós, porque eu não era a única a ouvir a prece da escada. Não era sozinha sentada ali, olhando quem rezava, incomodando o Antônio, e quem fazia Antônio sorrir no túmulo.

Será que Assis, ou Casemiro já passaram nas escadas do convento?

20190828_232908.png

* preciso visitar o convento!

A vida é tempo real, é oportunidade, é possibilidade, missão, tempo de fazer acontecer.

Nada acontece fora do tempo, fora da órbita natural, mesmo com todas as nossas escolhas, ainda assim tudo chega na hora completa do dia de ser.

Vai acontecer no dia, na hora, no tempo determinado. Enquanto isso, uma batalha acontece todos os dias, a luta é diária, e nem sempre é a mesma.

Seja no alto de uma montanha, ou nos baixos vales, a batalha vem, e tem dias que são bem difíceis.

Tenho dias que concentrar e resolver meus afazeres levam uma eternidade, assim como têm dias que seu abraço faz uma falta que nem eu consigo entender. Ninguém nesta terra será capaz de dar, de saciar com tamanho conforto.

Que possamos valorizar nossos entes queridos, e mais do que isso, que possamos Amar nossos Amores o quanto for necessário, o quanto for preciso.

Se hoje eu tenho a capacidade de cuidar e amar outras pessoas, metade disso eu devo a ela, Dagmar.

Com amor cuidou, com amor zelou, com amor me apresentou ao Pai… com amor descansou!

Gratidão por sua Existência, porque a terra não é o fim, isto aqui é só passagem.

Só estamos de passagem!

Somos um 💜

#saudades