Tudo anseia por Unidade

Por Felipe Rocha


📸 yonil


Contemplem a poesia que vem no balanço vigoroso das marés. Por que deixaram de escutar a suave melodia?

Vocês se afastaram do sopro dos quatro ventos.

Construíram tanto que tornaram nevoenta a paisagem do seu sublime retorno. Curvou-se o espírito à tirania da mente que enaltece os labirintos e fecha os ouvidos para as notas da simplicidade. Enquanto isso, lá fora, as nuvens acariciam as montanhas, os rios deslizam rumo aos oceanos, os dias sucedem pacientemente as noites. Tudo é conduzido por uma harmonia infinita. Tudo anseia por Unidade.

A Natureza escreve a sua poesia no movimento e no repouso.

Continua leyendo “Tudo anseia por Unidade”

| medicina do urso |

A medicina do urso, é a cura, mas, na compreensão, não quer dizer curado.

Caminhar nos mistérios do arquétipo, é uma das formas que o espírito adota para te fazer parar, te fazer olhar para o interno, olhar para si, e te fazer vê, perceber, onde a enfermidade brotou, e onde ela realmente deve ser tratada.

Alguns tratamentos por mais maravilhosos que possam ser, por mais dolorosos, não serão capazes de te fazer enxergar o que afligiu, isto, não quer dizer que não ficará melhor, mas há possibilidades de outros males surgirem enquanto a raiz não for tratada.

| daime |

Dai-me água,
não do Daime,
não do cipó da mata.
Dai-me água viva, direto da fonte.

Dai-me a semente do amor,
a raiz forte, nutrida, revestida.
Dai-me a alegria nos dias cinzas.

Revista-se de ânimo,
de inspiração,
de amor.

A M E!

Cuida do coração, do estômago,
da sua visão;

visão de mundo!

| jogos |

Nem tudo que vivemos é jogo alheio, por vezes, é só você e o próprio ego, num relacionamento sério.


Alguns vão insistir em jogos que nunca existiram de fato. Outros, vão jogar tão intensamente que vão exigir o troféu que não foi prometido.

Talvez, em algum momento da vida, tu venhas se perguntar porque aceitou joguinhos destrutivos, e-ou porque permitiu-se envolver em jogadas que não representam seu caráter, sua fé, seus princípios.

Há um momento previsto para todos os questionamentos.

Continua leyendo “| jogos |”

Digestão

Tentando dirigir o sonho desta madrugada.

Acabo de escrever um texto, um agradecimento, um acréscimo, um pretexto.

O sono me consumiu pelos remédios, adormeci assim que postei o que havia visto nas peças do tabuleiro.

Então despertei do sono, do sonho, do aviso?

Parece que não dormi. Estou com o corpo exausto, estou tão pesada, que não consigo dirigir e processar o que vi. Não tive medo, apenas receio pelo perigo, uma armadilha talvez?

Receio, porque ele ficou pra trás. É como se o fato de não nos escutarmos, gerasse o afastamento e consequentemente atrai o perigo.

Ele me ignorou no sonho, eu ignorei sua presença também. E no momento, estamos nos “ignorando” (essa não seria a palavra). Mesmo que seja exclusivamente para o próprio bem e causa, é uma forma errada para relatar.

Tentando seguir a vida como se não existisse o querer ou a vontade. Tentando separar o físico da alma, mas o espírito é impossível de controlar, de um jeito ou de outro, Ele nos revela.

Oculto nada será!

Despertar

À quem estiver desperto.

Não há tempo para mendigar sentimentos rasos.

Não se faz necessário convencer quem está com os ouvidos surdos. Não é nossa missão obrigar ninguém, apenas, mostre e instrui o caminhar. A escolha da jornada é individual, e cada um irá andar no tempo interior.


Esteja atento, ouça o vento, sinta a terra, escuta o que os pássaros estão louvando. Agradeça.


A menor sinalização é capaz de tocar a consciência, de liberar atitudes positivas e de emanar amor e luz, aos que assim, necessitam.

Seja Luz. Seja Amor!

Não é fácil, por vezes dói, por vezes, causa ânsias, dores em todos os ossos, mas, faz parte do processo.

Curar-se, para quebrar as correntes, liberar seus rancores, perdoar-se. Desaprender para aprender, e evoluir diariamente. A luta é diária, a guerra, existe, e ela é espiritual, é na alma.

É necessário encontrar-se. Fazer um rezo com seu animal, acender seus incensos, cultivar suas flores… abrir a janela, liberar os medos, fazer suas orações, jejuar!

Cuidar do corpo mental, físico e emocional, caminhar seus passos com sabedoria e discernimento.

Tenha fé, tenha coragem. Tu és um Belo Guerreiro! Tu és uma Mulher Selvagem. Tu és, nós Somos!

Somos um, seremos um.

Bom Domingo.

Lua Minguante

As visões e os sonhos, dessa transição da lua, são sempre os mais profundos, mais significativos, mais intensos e conscientes.

Somos uma conexão, e a presença física, não necessariamente, é o que nos aproxima, nem o que nos eleva.


[Um novo ciclo. Um novo homem, caminhando na estrada de chão vermelho.

Um salto bem alto, envolvendo raízes, razões, experiências e pessoas próximas… (confuso). Não consigo descrever a sensação da presença.

É um êxtase úmido, em tons foscos, verdes, cinzas.

Como um anjo, sem asas você flutuava sobre as planícies que eu havia adormecido. Algumas folhas esvoaçantes caíram sobre o meu rosto, eram folhas, mas sentia como gotas de orvalho… Vi suas mãos, suave, de forma leve, abrindo e fechando, soltando algo.

Que ervas você tem usado? Esse aroma… Você está semeando e cultivando algo novo, o que é? Mostra-me!

Sua meditação tem sido longa. Seus olhos estão mais pesados que seu corpo. Não entendo, talvez compreenda, talvez. Seu sorriso, contudo, continua o mesmo.]


SORRIA MAIS!

Gratidão, Amor!

flor

📸@temflor

Amanhã

Todos tem o direito de ir e vir, está na constituição.


Quando ir, vá com a certeza na alma e com o coração tranquilo, e quando retornar, seja cauteloso, e tenha discernimento.

Seja gentil, não pense que encontrarás as coisas intactas e pessoas omissas, pois, certamente irão partir e recomeçarão em outro.

A vida é assim, breve, sem exatidão dos fins e dos começos. E nós, todos nós, temos todo o direito do recomeço a cada amanhecer!

Amanhã pode ser tarde ou cedo!

Pode ser o ir ou vir de nós mesmos!

Pode ser a flor surgindo no olhar da sacada da janela, bem no centro do teu jardim.

Olha, veja o aspiral de sementes que vão brotar neste lugarejo chamado lar.

Eu vejo você, vejo encanto!

Em, 2015