Publicado en Chá das Onze

Visões, confins dos céus.

Sinta o perfume da mãe natureza, doce presença, Pai. Observação aguçada, é a brisa da deusa.

Ouça o tambor da mata. Pisada leve, voz serena, o louvor dos pássaros e a poesia sublime das folhas.

Sinta, o cheiro da clorofila invade, cheiro de terra molhada.
Ouça, é o córrego, são as aves alimentando-se.

Um enjoo, uma vertigem repentina, são as certezas, sendo abaladas. Não lute, deixa a mente fluir, deixa o aroma exalar tudo que não lhe cabe mais… deixa o orvalho tocar suas emoções mais profundas.

O que resgatar?

O que remover?

O que trazer pra perto?

Sigue leyendo “Visões, confins dos céus.”

Publicado en Poetas

Sobre a liberdade da flecha.

Por Thiago Mendes

🎨 Artush Voskanyan

O arqueiro está em cima das muralhas e fita o infinito. Seu anjo aparece de pé ao seu lado. “O que está fazendo?”, pergunta o guerreiro celestial.

O arqueiro respira fundo, ajeita seu arco, pega a flecha e a deixa armada. “Estou tentando entender a liberdade”, ele responde.

Sigue leyendo “Sobre a liberdade da flecha.”

Publicado en Poetas

Tudo anseia por Unidade

Por Felipe Rocha


📸 yonil


Contemplem a poesia que vem no balanço vigoroso das marés. Por que deixaram de escutar a suave melodia?

Vocês se afastaram do sopro dos quatro ventos.

Construíram tanto que tornaram nevoenta a paisagem do seu sublime retorno. Curvou-se o espírito à tirania da mente que enaltece os labirintos e fecha os ouvidos para as notas da simplicidade. Enquanto isso, lá fora, as nuvens acariciam as montanhas, os rios deslizam rumo aos oceanos, os dias sucedem pacientemente as noites. Tudo é conduzido por uma harmonia infinita. Tudo anseia por Unidade.

A Natureza escreve a sua poesia no movimento e no repouso.

Sigue leyendo “Tudo anseia por Unidade”

Publicado en Medicina Natural

Cactos e Suculentas

📌 recomeçando a Conexão com minhas plantinhas.

Para quem me conhece pessoalmente sabe que amo estar conectada com a Mãe Natureza.

Mato, flor, água, é comigo mesmo. Bora fazer uma trilha?

Sigue leyendo “Cactos e Suculentas”