Publicado en Poetisa

Natureza, palavra que exprime.

Exibe glamour, cobra respeito.
Em silêncios, grita.
Esplêndida beleza viva.
Suavemente, quebra as estátuas do tempo.

Exige introspecção, afirma a vida.
Nos gritos, silencia.
Magnificiência morta, fria. Agressivamente, gira a valsa da vida.

Natureza morta ou viva?

Publicado en Chá das Onze

Triz

Em, Outubro de 2020. 😒

Há angústia, nos silêncios, nas almas. Há a agonia em dias. Escritas palavras, em seus significados. Reais… piedosos… leais. Além do quê. Não há compreensão. Não há. Não sei dizer se há. Faz sentido?

Sigue leyendo “Triz”

Publicado en Poetisa

A alma

Não me pergunte mais, 1906 de Lawrence Alma Tadema

Escritos em cem textos

Nenhum cabe na nudez

A alma que reside despida

O corpo furtivo em burca

Estão nus, desvelados

Sem caftan, sem talit

Sem sutiãs e caleçons

Sem brincos perolados

Sem os chassidins, sem véus

Sem adornos insignificantes

A alma desnuda em luz

E no reluzente dizima

Mais dois mil textos minuciados

Dois, três calados, silenciados

Não cabem o nu pintado nos olhos

Não concebe a cintilante da alma

Nem o moralismo serafico

Nem espíritos que locucionam

Só a compaixão amorosa aforria

A alma do corpo

Livre!

Publicado en Poetisa

Morreu…

Morre

de raivas,
de desprezos,
de desilusões.

Morrem com dores…

Morre

de angústias,
de mágoas,
de traições.

Morrem com sofrimentos…

E continuam vivos!.

Com latentes e lamentos, com emoções e ressentimentos. Eles continuam…

Nós, continuamos vivos.

traído e doído

Arte: Dellamorteco

Sigue leyendo “Morreu…”

Publicado en Se cuida, Mulher!

Fermento

Fertilidade útil. A alma.

A vida. As relações.

O ser tocante. O ser.

Amor… bom dia. 🌷