Sonetos Quase Lidos

Numa árvore qualquer, repousa o pássaro do leve e largo voo, com que risca, livre, de asas abertas, ao Infinito, o espaço, onde distende o frágil corpo. Cada árvore é sua na passagem; todo galho se estende ao seu descanso. Mas se é tudo lugar para seu pouso, para ele somente um ninho existe. NoContinúa leyendo “Sonetos Quase Lidos”

Musa impassível

Musa Impassível – poema, escultura, filme. O poema MUSA IMPASSÍVEL I Musa! um gesto sequer de dor ou de sincero Luto jamais te afeie o cândido semblante! Diante de um Jó, conserva o mesmo orgulho, e diante De um morto, o mesmo olhar e sobrecenho austero. Em teus olhos não quero a lágrima; não queroContinúa leyendo “Musa impassível”