Sonetos Quase Lidos

Numa árvore qualquer, repousa o pássaro do leve e largo voo, com que risca, livre, de asas abertas, ao Infinito, o espaço, onde distende o frágil corpo.

Cada árvore é sua na passagem;
todo galho se estende ao seu descanso.
Mas se é tudo lugar para seu pouso, para ele somente um ninho existe.

No mundo ando também estrada afora, e em toda presença abrigo encontro, acho pousada em qualquer parte sempre.

Tudo o que existe é árvore que acolhe.
E, como o pássaro, pouso em qualquer parte, mas sei que existe um Ninho meu, somente.

LIMA, Daniel. Recife, 1957.

Imagem: HonestlyWTF

1 Comentario

Deje un comentario

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

Conectando a %s