Pedindo a Lua pra sair mais cedo…

A jangada fria, silêncio do céu estrelado por nuvens carregadas, sem água. Olha o Tempo para não chover… não choverá, meu bem. Fará mais frio. Frio além do frio que o termômetro marca. Compre meias. Usa as meias. Aquece o cordão do coração. As mãos. Os lábios.

Reduza o barulho da mente, do corpo, descansa, olha para si, se escuta, faça autoanálise do espelho.

Aproveita o despertar desprendido e estiloso do dia que chega cedo. Observa a mestria do Sol, das nuvens, dos céus. Seja o mestre e o maestro. Sejamos bons peritos na vida que inicia.

📸Vila Homero Ecard – Arquivo @temflor


A alvorada tem chegado mais cedo, a noite tem durado bem menos que o habitual. Sei, é verão, mas diria, que os dias em alguns dias já não fazem vinte quatro horas… Minutos que não são mais sessenta segundos, e segundos que são “perdidos” ao romper do sol…

Gris, é a hora que desperta pássaros, que as matas desbravam liberdade, que o orvalho escorre a escuridão, que as matas cobram os raios, hora que a seta aponta a haste para o alvor, reverenciando a boa luz do dia, iluminando trilhas e pedras. Soprando brisa nas montanhas que vens empurrando, mesmo quando parece não mover. E talvez não estejas, não cabe à nós mover montanhas, mas observa o quanto de força e disposição ganhaste enquanto esforçava-te. (Sê forte!)

Não estou insana ou desapercebida das horas, mas a perceção de tempo e espaço são como flechas de segundos em milésimos de acontecimentos que nos fazem postergar segundos, minutos, horas… variados momentos. E, é tempo* que desvanece… tempo que fica vagando sem nós.

E quando dormimos? A ideia desvanecida torna-se tola. Não lembramos de quase nada, não vigiamos o sono… vigia! Sonhou esses dias? Acordou no susto? Dormiu mais tarde, ou acordou mais cedo que o normal? Despertou de madrugada? Sonhou… quantas vezes?

O que sopras… a encruzilhada: o medo depois do medo.

Fazia meses que não dormia tantas horas… dormi um dia. Acordei na cruz acima. Desmaiei, não lembro pra onde parti, o que fiz, o que disseram, o que fizeram.

Estar fora do corpo é um treco estranho e distanciado, parece com o dormir mas não é. Tu estas ali, e o corpo tá reduzido a uma casa sem habitação. Enquanto que o morador debruça a vida sobre muros e abismos de submundo, fazendo sabe-se lá o quê. E qual, que mundo há no abismo que visita?

Não sei donde venho… O corpo acordou e o espírito ainda não havia chegado. Acho que ouvi o anjo dizendo: anda, ela despertou. Em três ou cinco segundos, talvez, até uns dez, a flecha* atravessou a carne com tanta velocidade que trouxera dor ao corpo físico.

– Aí, que isso? Vai com calma!

Brava, perguntei por onde andava tão faceiro, que havia deixado-me largada sobre o chão frio e gelado. Custava jogar um cobertor para aquecer?

Sem resposta e com dor aumentada, adormeci novamente. Desta vez dormi, não desmaiei. Sonhei um sonho sonhado antes. Tão ruim quanto. Tão estranho quanto qualquer sonho sem sentido. E tem e faz e precisa ter todo sentimento possível que puder fazer ter.

Não sei onde hábito quando não estou. Tão pouco com quem falo e discuto. A quem amo, mato e descaso, a quem ofendo ou perdoo.

Mas, a hora é cheia, e, é a Lua da madrugada, que vem espiar o rio da estrada. Aho. Gratidão, nos caminhos.

A lua está disponível para diminuir absolutamente tudo, e para receber a linhagem nova que estas à porta. E na porteira da mata, todo novo chegará. Espere a folha cair, o pássaro agradecer, busque o que é seu, lida com a flor morta, desabrocha os frutos, seca a chuva, faça mais fumaça, sopra com alegria.

Bom dia. Se alegra! Beba água, sem cafeína.


*creio não ser as palavras, mas não encontrei o sinônimo adequado.

Agregar un comentario

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

Conectando a %s