Devia fugir, esconder-se, talvez, até desaparecer. Quem sabe transcender desse ponto, e simplesmente não se iludir mais… Eu devia, mas não. A vida pode tornar-se uma ilusão, mas, a vida é real. Então, não posso fugir, não existe fuga verdadeira pra gente como nós.

Devia ser mais, ser muito mais. Sejamos! Encontre a luz (brilhar) reluzente no seu interior. O mundo vai gritar, vai cobrar, mas você não pode deixar de acreditar.

A realidade não irá mudar, se não mudarmos as atitudes. Cabe a nós mesmos o prazer, a dor e o preço da mudança. Ela não voltará para o ponto de partida, mas, algumas circunstâncias, responsabilidades, consequências nos fará ver-rever aos sombras do passado.

Se o caminho era-foi-é bom ou ruim, já não faz diferença, o que importa é tomarmos um novo caminho, que pode ser até a mesma estrada, mas com visões distintas, chão novo, atitudes e decisões novas.

Ainda não é o fim da estrada. Tem trilhas a percorrer no seu caminho.

Estamos longe, e temos muitas pedras na caminhada, temos muitas almas pra despertar, e alguns castelos pra construir. Não podemos desistir; – não agora. Sei o quanto é difícil suportar, mas também sei o quanto temos de força.

Somos seres fortes – você é forte, eu sou forte! Não vai embora sem concluir os objetivos. Não desista! Não hoje. Seja forte, pois você é.

Somos cientes e conscientes de todas as atitudes, presumindo a consequência e o próximo acontecimento. E sim, «prevemos» o resultado de quase todos os atos, pois somos seres inteligentes e sensitivos, mas, ver o futuro pode acabar conosco, e engrandecer a ansiedade. E se a ansiedade acaba comigo, vai querer acabar contigo também.

Temos que viver, um dia de cada vez.

Um dia de cada vez, e iremos mais longe. Um dia de cada vez e vamos criando novas oportunidades.

Não é insano querer melhorar, querer mudar, mas, aprender a ouvir, a se escutar, a planejar, sonhar… a viver! Aprenda pedir ajuda, se possível.

Cresci aprendendo a não questionar, mas, conheci a interrogativa, e agora não me contento com a simplicidade de algumas respostas. Então, aprendi a melhorar as perguntas, para obter melhores respostas.

O que não tem questionado a si próprio?

O mundo continua na fome do «eu quero mais», eu posso mais, eu preciso de mais», mas, quando estamos sozinhos, solitários e infelizes com nossas conquistas e escolhas, quem é que nós faz companhia?

Quem é que te faz rir?

Devemos fugir do ego e abraçar mais a alma. Fortalecer o espírito na mesma proporção que recebemos.

S O R R I A, faça alguém sorrir essa semana.

Tu já se abraçou hoje?